terça-feira, 9 de dezembro de 2008

I'm Yours

Uma música que não sei porque, marcou esta fase diferente da minha vida. Esta nova etapa. Mesmo não sabendo bem quem sou, para onde vou e nem de quem sou...
Ando a tentar aprender todos os dias, pena ter dias que estas respostas ficam muito complicadas.
Ai ai começo a acreditar na teoria masculina que diz que as mulheres são complicadas. Ou seremos todos assim????
Gosto de "luta", mas por vezes as coisas podiam ser mais fáceis.
Estes momentos zen já estão a precisar de reciclagem :D

4 comentários:

O ovo estrelado disse...

...têm é um complicómetro demasiado activo! nós, au contraire, fomos dotados com um verdadeiro simplex emocional que nos possibilita a singular rfaculdade de fixar apenas o essencial em detrimento do supérfulo que inunda a vossa imaginação! Por isso é que nos completamos tão bem:Yin e Yang

Ana disse...

Gostei desse complicómetro demasiado activo.
...cá pra mim deve ser esse Yin que me anda a escapar...

O ovo estrelado disse...

"Jamais desespere no meio das mais sombrias aflições da sua vida, pois das nuvens mais negras caí a mais fecunda e límpida água"

Provérbio chinês

...ainda na onda da filosofia oriental!...

...e como é que estamos de prendas!? Já não passo o Natal aí à muitos anos infelizmente! Tenho saudades da noite de Natal em redor da fogueira, a ver o madeiro a consumir-se lentamente enquanto se contam estórias de outros tempos acompanhadas de uma malga de vinho, da aletria, do som do vento nos soutos de castanheiros, do desafio da concertina e sobretudo dos arrepios de frio ao sair de casa já noite fora, e olhar para as centenas de luzes que iluminam a noite lá em baixo na aldeia. A Praça de Camões iluminada [naquele tempo não havia a loja dos chinocas], as ruas de PLima frias e desertas à noite. Mas sobretudo do bacalhau cozido com as couves e as batatas que só aí sabem bem! Ah! hoje deu-me para a saudade!...

Ana disse...

Ai! Ainda bem que existe sempre alguém que nos diz o que precisamos no momento certo :)
Kiss

Quanto ao Natal em Ponte de Lima e na aldeia que normalmente também é onde passo, não descreveria melhor que tu.
Sabes que toda a gente me diz que tenho que sair daqui, abrir horizontes, buscar vida nova, conhecimentos novos etc. Eu própria sinto um impulso enorme por vezes, no entanto estas pequenas coisas mágicas que só quem observa as entrelinhas, as coisas mais belas e profundas desta terra percebe porque ainda aqui estou. Já vivi fora de Ponte de Lima alguns anos, gosto muito de sair daqui por vezes, mas é aqui que eu encontro paz. Esta terra é mágica. Pelo menos para mim, sinto-me muito agarrada a isto, seria incapaz de ir para um lugar onde não desse para vir sempre que me desse saudades.