domingo, 29 de novembro de 2009

Vamos todos participar

Após ter recebido um email para aderir a este projecto, lógico que fui ler, não por ser maníaca das limpezas mas porque Portugal está mesmo a precisar de manutenção.
Assim, apelo a todos que vejam este projecto e participem!
Eu vou Limpar Portugal!



quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Para você Gui

Hoje Gui te dedico aqui estas palavras no teu aniversário. Como não posso mandar flores para o Brasil aqui deixo um grande beijo.
Obrigada por teres aparecido cá com a minha prima e por faze-la feliz.
Sabes que gosto muito de ti, que as tuas palavras, força, lucidez e paciência para com os meus devaneios ficaram para sempre no meu coração. É um prazer ter-te na família. Espero que tenhas tido um dia feliz e que aproveites por muitos, longos e belos anos.

Um beijão enorme caraaaaaaaaaaaaaaaaaaaa legal.

Aqui deixo um agrado para ti para recordares este lugar que eu sei que tanto gostas ;)

Feliz aniversário!


terça-feira, 24 de novembro de 2009

domingo, 15 de novembro de 2009

Pedido de esclarecimento



É com enorme agrado que vejo serem-me dadas respostas, mesmo que não as que gostaria de ouvir mas partilho com vocês o email que enviei para o MUP e só espero que façamos valer os nossos direitos e a dignidade que se impõe à vida de todos os profissionais e cidadãos.

“Caros colegas
O meu nome é Ana Franco, docente do grupo 550 e gostaria que me explicassem uma coisa que me anda a deixar baralhada.
Fala-se imensa coisa mas o que é certo é que não tenho visto nada regulamentado.
Eu fiquei este ano lectivo efectiva numa escola do distrito de Faro mas sou do distrito de Viana do Castelo e gostaria de saber, se no próximo ano, posso pedir destacamento por aproximação à residência ou só daqui a quatro anos me consigo deslocar.
Agora com isto da mobilidade para ipss's e instituições do ensino especial conforme vem no decreto as restantes opções de mobilidade não me parecem esclarecedoras.
Acho lamentável que os colegas contratados possam ver renovados os seus contratos, coisa que nunca beneficiei nestes últimos anos, por quatro anos e eu tenha que me submeter a ficar presa por 4 anos num local que me priva de tudo e todos que me são próximos. Sei que fui eu quem colocou esta opção mas confesso que nunca o imaginei uma vez que tenho ficado sempre na minha primeira opção na lista de colocações enquanto contratada e vim parar à penúltima como efectiva.
Não vejo ninguém discutir esta questão e gostaria se fosse possível, que me desse os passos necessários a tomar para que possa contornar esta situação e/ou levantassem esta questão através do Vosso blogue.
Inscrevi-me em todos os sites de permuta mas não obtive resposta.
Já entrei em contacto através da DGRHE mas até hoje não obtive qualquer resposta.
Não faço intenções de me privar de viver por esta profissão que gosto muito mas que infelizmente me tem desiludido imenso por toda a sua conjuntura.

Agradecia um feedback a este email, quanto mais não seja a dizer que não sabem se for o caso, porque ficar sem respostas está a enlouquecer-me..."



Agradeço imenso ao colega Ilídio Trindade pela sua resposta, que foi clara e com o respeito que merecemos, coisa que infelizmente não se vê por parte da DGRHE, sindicatos e outros que tais. Nomeadamente o Bloco de Esquerda que criou um email para os professores mas à primeira critica deixaram de me convidar para os seus jantares ou dar qualquer tipo de informação o que me leva a pensar que também não passam de boas ideias mas que na prática são mais do mesmo. Nós que estamos em campo é que percebemos como as coisas acontecem pois sentimo-las de facto na pele.

Em seguimento da resposta do colega Ilídio Trindade reforço-lhe em resposta mais algumas das questões, uma vez que não vejo este assunto esclarecido em lugar nenhum e não me parece que será tratado a menos que as pessoas se manifestem.

Sugerindo-lhe que seria pertinente colocar este assunto em debate no blogue do MUP. Pois não imaginam a quantidade de colegas que vejo deslocarem-se durante 10h de autocarro para poderem visitar a família e não todas as semanas mas com alguma regularidade, pois é fisicamente e financeiramente impossível fazê-lo. Olhando ao número de professoras do sexo feminino que deixam os seus filhos/maridos e pensar que não os acompanham provavelmente durante 4 anos, a mim faz-me pensar bem o que é realmente importante. A maioria das mulheres, como eu a começar a passar a/da idade fértil, encontram-se presas à busca de uma carreira que se pelo menos fosse justa em todos os seus pontos!!!

Tão ou mais importante que uma avaliação é sem dúvida a nossa carreira, o percurso que a mesma tem que fazer até que se dignifique e não vejo ninguém falar nisto o que me preocupa sem dúvida.

Também aqui no meu blogue lanço a questão, a dúvida sobre que país é este, que sistema é este, enfim!

Sei que nas empresas/privado o ritmo e métodos também não são de todo correctos mas efectivamente as pessoas normalmente esforçam-se ou privam-se por uma carreira no privado sempre com objectivos de atingir determinados patamares, coisa que nós não podemos porque estamos sempre dependentes do défice, da economia e qualquer outra coisa que nos coíba de progredir.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

"Não faz sentido prolongar as ocupações das crianças"

Aconselho aos iluminados deste país ler este documento que se encontra no site da Educare.

Maria José Araújo: "Não faz sentido prolongar as ocupações das crianças"


"Investigadora defende que é fundamental perceber que os mais pequenos têm ritmos de trabalho diferentes. E que brincar é uma forma de descobrir o mundo."


Sara R. Oliveira
2009-11-09


terça-feira, 10 de novembro de 2009

40.º Aniversário da Rua Sésamo

Hoe na celebração do 40.º aniversário obviamente que me lembrei do nome que atribuimos à minha mana quando era pequenita por ser uma devoradora de bolachas.




Ao ouvir hoje a notícia na rádio comercial e a respectiva música do programa obviamente me lembrei das vezes que eu e a minha mana viamos isto e como eram giros os bonecos de outros tempos.





Hoje até a Leopoldina vende produtos de Natal sem qualquer magia como se fosse uma boneca de um jogo virtual!

Como é bom recordar estas pequenas coisas boas :)

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

República das Bananas continua




As últimas notícias relativamente ao Processo Face Oculta (vejam comentário do Mário Crespo no link abaixo) só fazem sentir-me mais enjoada com esta nossa pequena e triste condição de povinho!


Notícias de fraude, incompetência, corrupção, falta de valores e outros termos do tipo, associados aos nossos governantes principalmente no que a dinheiros públicos diz respeito é agonizante.

Estamos nós em constante sacrifício, afastados de tudo e todos que gostamos para ter dinheiro ao final do mês para pagar as contas, já não falando dos que nem dinheiro para pagar as contas até ao final do mês têm e a trabalhar como deve ser. Esperar, sempre esperar que dias melhores virão e quiçá um dia até valha a pena o meu/nosso esforço, enquanto estes senhores gozam todos os dias com a nossa cara.

Todas as vezes que me aventuro a fazer os 700km de autocarro e me deparo com vários professores na mesma condição que eu reparo o quão deprimente e injusto se está a tornar tudo isto. Quantas familias estão desencontradas, quantos casais separados, quantos filhos longe das mães... É ouvir as conversas e sentir as náuseas fluir pelos poros.

Volta-se a falar de avaliação de docentes, da carreira, (...) mas infelizmente não acredito que os meus queridos colegas que de repente se viram num patamar diferente, quer em termos de "direitos" em relação ao vulgar professor, quer em termos monetários deixem que isto mude assim tanto. Já não falando nos Senhores Directores (professores) que viram os seus vencimentos crescer e crescer. Aguardo paciente para ver ...

A única causa que ainda me move é apelar aos jovens que comigo trabalham que lutem por um futuro melhor e não deixem que continuem a brincar com eles. Apelar ao seu brio, ao esforço por vidas melhores. Fico triste ao ver o futuro de grande parte deles, pois são evidentes.

Todos os anos me deparo com alunos que vivem em situações familiares deprimentes, histórias de vida decadentes e este sistema só contribui para que continuem a ser medíocres. Não se pede a este povo (jovem) que lute por serem os melhores naquilo que fazem, mas que apenas passem, progridam, avancem porque é importante ter um certificado.

Acho que basta de brincar com isto. Estou farta deste povo brando. Sinto-me asfixiar sempre que calo o que vejo, o que sinto, pelo que luto. Não se rendam ao mínimo!

Basta de palhaçada!