segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Para meditar

Agora que o novo ano lectivo está prestes a começar, partilho aqui com vocês este texto que recebi por email e no qual é urgente reflectir.


Bem haja a este colega.

"Exmº Senhor
Director do Expresso

Ao ler o conteúdo das páginas centrais do caderno Economia do Expresso de 24 de Julho, com o título “Falta de Educação”, instalou-se em mim uma certa indignação pela forma como se “brinca” com números e percentagens manipulando-se assim a opinião pública.

Na página 13, quando se foca “O fraco retorno do investimento no ensino” pode ler-se na introdução: “Portugal gasta o mesmo que outros países em educação…” e, numa caixa do lado direito com o título “Igual nível de despesa”, vai-se ainda mais longe quando se compara directamente Portugal com a Finlândia e se fazem afirmações tais como: “Portugal gasta o mesmo e tem os piores resultados internacionais… Portugal gastou 5,3% do PIB em Educação… e a Finlândia que tem os melhores resultados do PISA, gastou pouco mais que Portugal: 6,1% do seu PIB (dados de 2006).”  

Exmº Senhor Director

Porque tenho 25 anos de ensino a dar e a gostar de dar aulas, porque sou professor de Matemática, licenciado pela Universidade de Coimbra e também porque tive oportunidade em Maio último, de conhecer a realidade de uma escola comum da capital finlandesa, permita-me que apresente uma análise ligeiramente diferente destes dados.

Antes de o fazer, esclareço ainda que sou filiado no partido Socialista, não sindicalizado, membro de uma assembleia de freguesia eleito por este partido, e que me entristece constatar que possivelmente estejam a ser usadas pessoas com análises deste tipo para justificar medidas puramente economicistas, implementadas pelo governo na área da educação de forma autoritária, sem diálogo nem qualquer participação das entidades que deveriam ter participado, aplaudidas (pelo menos com o silêncio) por toda a oposição de direita até mesmo pelas autarquias desse quadrante político. Falo do fecho de escolas e dos mega-agrupamentos.

Estes textos, saídos no expresso, servem também, para mais uma vez denegrir a Escola pública e sobretudo o trabalho dos seus profissionais contribuindo de forma significativa para desprestigiar a nossa profissão. É lamentável.

Voltemos aos números: A Finlândia gasta 6,1% do seu PIB, pouco mais que Portugal que gasta 5,3% !!! Só por estes números, significa que a Finlândia gasta mais 15,1% que Portugal [( 6,1-5,3)¸5,3´100 = 15,1% ]. Isto não é “pouco mais”!  

Mesmo assim não fiquei contente e fui fazer uma investigação na net. O PIB da Finlândia em 2008 (as percentagens anteriores eram de 2006 mas estou convicto que as alterações na análise não serão significativas) foi de 287.600 milhões de dólares e em Portugal foi de 255.500 milhões de dólares. Feitas as contas, da mesma forma que as anteriores, concluímos que o PIB da Finlândia é superior ao português em 12,6%. Isto, para mim, também não é “pouco mais”.

Mas, mais significativo que as duas “correcções” anteriores, é o facto de os finlandeses serem 5,3 milhões e os portugueses serem 10,6 milhões. Façamos mais um exercício: calculemos 5,3% do PIB português e dividamos pela população (não sei o número da população escolar mas estou convicto que se usássemos esse número os resultados seriam ainda mais esclarecedores) e façamos o mesmo com a Finlândia. O que se conclui, senhor Director, é que em Portugal gasta-se 1.277,5 dólares por ano por cidadão em educação, e na Finlândia 3.310,1 dólares. Para alguns é “pouco mais” mas, na minha modesta opinião, é quase o triplo!

Acresce ao que foi provado que, segundo dizem, a Finlândia investe assim em educação há pelo menos cem anos e Portugal que começou há trinta anos tem agora responsáveis que acham que se deve começar a desinvestir!

Já estamos habituados a ver os nossos dirigentes desportivos a transformarem derrotas em vitórias morais mas, agora também na educação, alguém quer transformar claras derrotas (Port-1: Finl-3) em empates…

Agradecia, Sr. Director e senhores jornalistas, que encaminhassem este texto ao senhor jornalista João Silvestre e agradecia receber algum feedback vosso e dele.

Com os melhores cumprimentos
Eduardo Manuel Marques do Rego
BI 4491862
Telem 960289738"

3 comentários:

O ovo estrelado disse...

..bravo!! é destes que eu gosto!!...utilizar números sem fazer a mínima ideia do que signicam na realidade é praxis de alguns "jornalistas" que coitados, provavelmente não saborearam a refinada arte dos números coma devida dedicação. Mas esta infeliz comparação constante com a Finlândia é uma dasquelas heranças deste nosso primeiro-ministro...Mas numa coisa Ana [perdoa-me a minha sinceridade!] é preciso que seja dita. Por melhor que seja a formação e empenho de quem lecciona, aquilo que acontece nas salas de aula, a forma como o ensino está a ser conduzido por quem governa, é no mínimo arrepiante!Como diria o distinto Prof Nuno Crato, os pais andam a ser enganados!Será que vocês professores não podem dar um safanão a tudo isto?...

ALFF disse...

Tony
Sabes bem a opinião dos professores relativamente aos tais enganos que dizes andarem a ser alvo. Nós poder podíamos mas não era a mesma coisa. Os números seriam ainda mais assustadores e muita coisa mudava, coisas essas que certamente não interessam ao ministério nem ao governo. Pode ser que atingido o número pretendido comecem a ser mais selectivos, e aí sim começaremos a ter mudanças. Como tenho muitos e muitos anos que esperar até me reformar espero bem ainda ter o prazer de ver isto melhorar.

Fernando Santos (Chana) disse...

Bom post...totalmente de acordo....
Cumprimentos