terça-feira, 18 de novembro de 2008

Livro de reclamações


Hoje apetece-me deixar aqui algumas reclamações/ sugestões.
São tantas que não me vou preocupar com a ordem nem a temática é conforme me for lembrando.
Então aqui vai:

· É favor colocar uma rotunda na descida do cemitério de Ponte de Lima que está um perigo aquela saída. (Quem é de cá sabe o que digo);

· É favor corrigir aquela vergonha de linhas na estrada de Arcozelo (em frente à Panilima) que já mete nojo, está digno de foto para “Nós por cá”;

· A história dos Magalhães em Refoios é mais uma comédia Nacional, pena tenho que o nosso presidente se continue a vender como fez com o queijo. Devo confessar que tem tido as suas vantagens, mas sejamos mais sérios;

· Deixem-se ser avaliada por alguém que não esteja dentro das mesmas quotas que eu;

· Avaliem todas as escolas para verificar cargas horárias aplicadas aos professores, e abusos de poder. Não me refiro a nenhuma em particular se o quisesse fazer tinha uma vasta lista. Colegas que vivem essa situação fotocopiem os vossos horários e mostrem-nos para que vejam o que já todos sabemos.

· Quero ver no meu horário tal como qualquer funcionário público o número de horas legais que me pagam, tudo que seja a mais pago como hora extraordinária, e aqui incluo o tempo que me dão para preparar as aulas.

· Quero ser avaliada tal como durante o meu estágio pedagógico por alguém com competências técnicas na área didáctica que lecciono, mas que não possa ser corroborada pelas escolas e ministérios;

· Quero passar todos os meus alunos que estudam, que se esforçam e que lutam por ser excelentes;

· Não quero ser assistente social, psicóloga, mãe, amiga, professora e tudo o mais só porque não há quem o faça; (Atenção faço-o porque gosto e não por obrigação, tenho pena é que não haja os mecanismos todos para dar isso a todos os menino(a)s , eu não chego a todos, e não estou a ser convencida ou prepotente mas realista)

· Como se combate a obesidade , se continuam a vender bolos, chocolates e coisas do género nas escolas. Porque não dar-lhes isso uma vez por semana e não todos os intervalos?

· Porque não temos um sistema nacional de saúde para todos?
Só há para os que podem, os que têm seguros e dinheiro para resolver com brevidade os seus problemas.

· O que iremos fazer com os alunos que no futuro continuam a não saber ler nem escrever? Que sabem que podem faltar injustificadamente e depois fazer um exame, ou vários até que passe? Como vai esta gente funcionar quando for pró mercado de trabalho? Desconta-se no ordenado? Não se pode despedir? Depois vão ficar traumatizados, porque tadinhos, já vêm traumatizados da barrigada da mãe.

· Apetece-me emigrar mas penso, para onde e porquê? Porque é que tenho que ser eu a deixar tudo o que amo?

· Porque é que não abandonei a escola ao nono ano e fui trabalhar? Já tinha casa, carro, e agora como ainda sou nova voltava a estudar À noite ou quando me desse jeito e quando desse por ela estava na universidade a exigir que dobrassem a língua para falar com a Sra. Dra. das oportunidades?

· Ah à conta desta lembrei-me doutra cena engraçada, vi noutro dia uma coisa engraçada!!
Um médico a comparar os médicos licenciados em Espanha e os licenciados em Portugal e sabem o que ele disse? Que não havia nenhuma diferença digna de destaque, a não ser que os nossos tiveram que entrar com 18,XX e os outros foram para Espanha com 16 e 17 valores de média.
Vamos lá, toca a continuar a mandar os nossos meninos prodígios daqui para fora. Só com um país de bananas e totós é que se consegue governar sem ninguém reclamar e ainda dizerem que já estivemos bem pior. Depois mandam para aqui os médicos peruanos, colombianos e tal que percebem e fazem-se perceber perfeitamente aos velhinhos (e não só) que vêm da serra que mal o português percebem!!

Ai nem sei mais que diga, já estou cansadita.

Vamos vivendo como diz o meu cara Gui, num país de FAZ DE CONTA e fazer de conta que somos felizes com isto tudo, que adoramos a pátria e temos um enorme orgulho por termos conquistado o mundo, o deixarmos ter ido e agora continuamos a conquistar mas como emigrantes que com sorte nem dizem a ninguém que são portugueses para não se rirem.

3 comentários:

Guilherme Faro disse...

Aninhaaaaaaaaaaaa! Vamos vivendo! ahahhahah
Legal o texto. Pois é. O negócio é rir e se divertir ao máximo. O resto... é o resto e quando tivermos tempo, cuidaremos dele.
beijos, portuga legal.

brasuca legal. ahahahah

O ovo estrelado disse...

...estive a ler as tuas reclamações, algumas das quais pertinentes, mas depois de ouvir à pedaço as "ligeiras alterações" propostas pela Exma. Rva. Sra. Ministra da Educação, questiono-me: e agora!? Quais são os motivos para a continuação da luta!?...antevejo pelo menos um pertinente...a existência de cotas para as classificações de Muito Bom e Excelente. Todavia, e em face dos sucessivos recuos e "gemadas" por parte da equipa ministrial, talvez seja chegada a hora de os vossos sindicatos encetar a via do diálogo (diálogo é estar sentado mais do que 20 minutos!). Seja como for, é todo o interesse que a avaliação seja feita, já que faz todo o sentido que as subidas automáticas terminem e quem melhor se destaca pela sua qualidade pedagógica, seja efectivamente beneficiado. Pelo menos é assim cá fora!...no dia em que o Estado se reger pelas mesmas regras da iniciativa privada certamente que este país vai valer a pena!...certamente vais ter alguma dificuldade em concordar comigo, para não dizer vais discordar totalmente, mas com muita sinceridade, também te questiono, achas que vocês aguentam manter o braço de ferro durante muito tempo!?...

PS: ontem ouvi uma professora a queixar-se que tiodos os dias é mãe, enfermeira, médica, psicóloga, avó etc...eu perguntei-lhe se quando tirou o curso estava à espera de quê?!só de ensinar!?...perguntei-lhe com era quando era ela que estava na escola!?...ela não me soube responder...eu durante o dia, sou pai, avô, conselheiro, engolidor de sapos, só ainda não experimentei ser enfermeiro (e ainda bem!) mas orgulho-me de sempre tentar ajudar os outros e dar o melhor de mim para a sociedade!

Ana disse...

Ovito, eu tb adoro a parte social e dar o que tiver de bom para dar aos outros.Ainda não tou muito por dentro das mudanças porque estive com os meus alunos numa visita de estudo aí por terras de lisboa desde quinta feira. Agora vou ler e ver. Eu só reclamo o facto de o ter que fazer porque ao contrário do que diz fazer, a grande maioria dos pais, avós e familiares descarta as suas responsabilidades e acham que os professores têm que o fazer como se fosse nssa obrigação e unicamente nossa. Logo que possa irei dar a resposta às outras perguntas.